.
SINDICAM-SP


SAAC


Rodão


.

Giro seta

.
.
Dia Nacional do Caminhoneiro
 
Tamanho
da letra
 

Exclusivo: treinamento valoriza o motorista

 
03/08/2016
 
Atualmente são grandes as exigências na hora de contratar os serviços do motorista de caminhão. Para atender a nova realidade, o carreteiro teve de adotar comportamento diferente de anos atrás, época em que para conseguir um bom frete bastava ter um caminhão e saber dirigir. A profissão de motorista podia ser resumida em pegar e entregar a carga, enlonar o caminhão e saber fazer nós. Com o passar do tempo, esta imagem romântica do motorista de caminhão foi perdendo espaço para um outro tipo de profissional, o qual faz cursos, se atualiza, busca informações em feiras especializadas do setor, se preocupa com a aparência e vê o caminhão mais como um negócio do que um veículo de carga. Além disso, o carreteiro se transformou no principal formador de opinião dentro das transportadoras, que, por sua vez, também adotaram um outro comportamento, e se preocupam em treinar e preparar seus motoristas para acompanhar as tendências do setor. De acordo com a Salete M. Argenton , gerente geral da Fabet Filial SP, a concorrência está acirrada em todos as áreas no País neste momento de crise política, econômica, institucional e social. “Não basta apenas ser um motorista habilitado e com experiência, é preciso ser um profissional atualizado e capaz de garantir para a empresa resultados qualitativos e quantitativos efetivos, contínuos e duradouros. Dirigir com segurança, produtividade e baixo custo operacional é fundamental e é exigência mínima do mercado de trabalho”, explica. Todos os anos há um aumento em torno de 30% no número de alunos capacitados nos cursos abertos do Programa Caminhão Escola da Fabet, sinalizando um interesse maior dos motoristas por cursos de aperfeiçoamento. Para Salete, os motoristas que evitam o treinamento insistem em dirigir de forma costumeira e antiga. O processo de desenvolvimento profissional é permanente em qualquer atividade e ser um profissional do transporte exige que as pessoas busquem aperfeiçoamento constante também. “Os veículos são cada vez mais modernos e complexos, embarcadores e clientes exigentes com o nível de serviço, qualidade no atendimento e segurança, isso requer pessoas preparadas e qualificadas para o negócio. O papel do motorista gestor nos tempos modernos vai muito além da simples condução de um caminhão”, complementa. Para Roberto Branco, coordenador da Centronor, os motoristas não estão totalmente atualizados, falta muito em informação e capacitação para que os mesmos possam se atualizar. “O motorista qualificado pode interferir diretamente nos custos do transporte, como combustível, pneus e manutenção. Sendo assim ele será um parceiro ideal, para que principalmente nesses momentos de dificuldades, a manutenção dos custos seja observada”, explica. O coordenador explica que existe uma procura maior pelos cursos principalmente por parte de autônomos, que querem ingressar ou outros que desejam retornar a profissão. Entretanto, de um modo geral, com relação a anos anteriores a empresa observou diminuição na participação, principalmente por motoristas de empresas. “ Para alguns motoristas, o que aprenderam na vida prática, já lhes serve para atuarem como um profissional. Apesar da procura por parte dos autônomos ter aumentado, Roberto ressalta que não se refere aos que já atuam e estão trabalhando. “A necessidade de parar seu caminhão e permanecer em uma escola por um período que pode variar entre três a cinco dias, ele entende que não é possível. O poder aquisitivo dessa categoria, vem diminuindo a cada ano. Então, o treinamento pra ele não é uma prioridade, mesmo sabendo que isso lhe ajudaria muito”. Reginaldo L. Bartulic, diretor da Cone Sul, explica que com a constante evolução tecnológica dos veículos, entender e conhecer como conduzir esses veículos, assim como saber utilizar e manipular outros equipamentos embarcados como telemetria, rastreamento, conectividades, conhecer técnicas de condução econômica, possuir o curso MOPP atualizado e conhecer como transportar corretamente e legalmente os produtos perigosos serão sempre diferenciais positivos a qualquer tempo para o motorista profissional. Esses diferenciais são os principais requisitos que o RH das empresas de transporte de carga buscam quando realizam suas contrações. “As melhores oportunidades de trabalho ficarão sempre com o motorista melhor preparado e capacitado, principalmente em momentos de crise econômica”. Nos últimos três anos, conforme contabiliza Reginaldo, houve um aumento na procura pelos cursos (MOPP e Cargas Indivisíveis) em função do aumento da atividade econômica, pois como a maioria das empresas exigem o curso MOPP para contratar, o motorista que não tinha o curso se via obrigado a fazê-lo para não perder a oportunidade de emprego. O aumento na frequência do curso do MOPP na Cone Sul nos últimos dois anos foi em torno de 50%. “De modo geral o motorista não gosta de fazer cursos ou participar de treinamentos, creio que por alguns motivos como atividade diária muito dinâmica com viagens constantes. Outro motivo são cursos, palestras ou treinamentos mal preparados. O conteúdo a ser passado ao motorista deve ser muito bem elaborado contendo informações relevantes para o dia a dia do motorista, pois apesar de muitos possuírem poucos ou nenhum estudo sua experiência prática adquirida nas diversas situações por ele passado lhe confere possuir referenciais com senso de análise crítica dos mais diversos assuntos de seu dia a dia”, reforça.
 
Fonte: www.revistaocarreteiro.com.br
 
Voltar
 
Compartilhar no Orkut Compartilhar no Facebook
 

cadastre-se

.
Digite seu e-mail aqui:
 

publicidade

.
IV SEMINÁRIO NACIONAL DE SINDICATOS DE CAMINHONEIROS AUTÔNOMOS
 
 
. .
Desenvolvido por:
F2 Webdesigner
Palavra do Presidente | Diretoria | História do Sindicam | Notícias | Sub-sedes | Jurídico | Eventos
Benefícios | Convênios | Links | Contato | Localização | Sindicams | Jornal do Sindicam